Cast group

a- A+


Fábrica de Software

Conceito

O modelo de desenvolvimento de sistemas com base em Fábrica de Software procura aplicar os conceitos de produção em grande escala da indústria de manufatura a processos de produção de software, trazendo como benefícios potenciais para o Cliente a prática mais rigorosa e organizada de padrões, princípios de melhoria contínua, especialização de funções, e ganhos de escala.

A abordagem de Fábrica de Software não é nova, e remonta os idos da década de 70, quando as primeiras abordagens estruturadas de análise e especificação de sistemas aplicadas ao desenvolvimento de software propiciaram, pela primeira vez, a separação do trabalho de especificação (análogo ao do engenheiro ou projetista) do de programação (análogo ao do construtor ou operário).   A partir da criação destas “plantas” de definição de sistema, viabilizou-se a entrega do trabalho de programação para terceiros, especializados na etapa de construção e eventualmente estabelecidos fora da empresa, em ambientes dedicados a esta atividade.

Benefícios

Foco no Negócio A partir da delegação para a Powerlogic dos serviços de desenvolvimento e manutenção dos sistemas Java EE, a empresa passa a contar com seu quadro interno focado em questões de negócio, mais alinhado com as áreas fins, dedicado a elaborar soluções diferenciadas para as mesmas. Ou seja, com visão de Analista de Negócios.

Utilização Estratégica da Tecnologia A partir da desoneração do esforço diário de manutenção, estes Analistas de Negócio contarão também com tempo disponível para absorver apropriadamente as inovações (Web, computação móvel, B2B, etc.) da Indústria de Tecnologia da Informação, buscando com isso aplica-las de forma mais criativa e diferenciada, em sintonia com o crescimento do negócio.

Mecanismos de Controle A partir de uma experiência em seu primeiro ano, e com os indicadores de produtividade e qualidade acordados entre as partes, a empresa passará a controlar os serviços terceirizados para a Fábrica através de indicadores de desempenho e qualidade, facilitando a gestão e aprimoramento da relação com o fornecedor. 

Análise de Riscos

Apesar das teorias expostas no item anterior denotarem certo bom senso a princípio, experiências mal sucedidas nas décadas de 80 e 90, com diversos modelos de Fábrica de Software, exigem uma reflexão mais aprofundada no assunto.

A Powerlogic se julga no dever de analisar as questões que levaram a estes fracassos, aqui expostos como fatores de risco, e de apontar soluções atualizadas para se eliminar ou diminuir estes riscos.

Estas soluções, hoje possíveis, são provenientes de estudos mais atuais sobre peculiaridades do processo de desenvolvimento de software e também devido ao advento da Internet e aprimoramento dos mecanismos de comunicação.

Organização Geral

Localização Assim como a sua Sede, a localização da Fábrica de Software da Powerlogic é privilegiada para o atendimento ao cliente. Na região central de Belo Horizonte, no Espaço Séculus, é de fácil acesso e está próxima à Prefeitura, ao Palácio das Artes e aos principais e mais modernos hospitais da cidade. 

Infra-Estrutura Como infra-estrutura da Unidade de Projetos, a Powerlogic dispõe de sala projetada especialmente para o desenvolvimento de software. 

Possui um ambiente de Desenvolvimento composto de Servidores de aplicação, clusterizados e de servidores de Banco de Dados Oracle, MS-SQL-Server, Postgres MySQL e Sybase.

Softwares Sistema operacional Windows-XP, Windows 2000, Linux.
Controle de Versões com CVS.
SGBD Oracle, MS-SQL-Server, MySQL, Sybase e Postgres.
CASE Enterprise Architect e PowerDesigner.
MS Word.
MS Exchange/Outlook. 

Disponibilidade
A Unidade de Projetos da Powerlogic fica localizada no mesmo prédio da matriz da empresa e, portanto, é prontamente atendida pela sua Área de Suporte.
Defeitos em equipamentos ou no link, que possam retardar os trabalhos, serão imediatamente atendidos.

Supervisão
O trabalho de supervisão geral da Unidade de Projetos consiste em acompanhamento das práticas e padrões determinados, comunicação com o Cliente e com os desenvolvedores da Fábrica, além da responsabilidade pelos indicadores de desempenho.

Padrões de Desenvolvimento

O nível de abrangência e qualidade dos padrões adotados pela Fábrica e pelos Projetistas são fundamentais para o sucesso do modelo proposto.

No campo do desenvolvimento Java EE, a Fábrica de Software da Powerlogic prevê como padrões mínimos:

Orientação a Objeto
A utilização da OO, limitada às possibilidades da linguagem de desenvolvimento, deve ser ampla e aprimorada continuamente, uma vez que é, hoje, considerada a principal fonte de ampliação de produtividade e qualidade de software.

O uso da OO com base em framework deve ser preferencial e sempre que possível utilizada em substituição a qualquer abordagem de “geração de código” ou “model driven development”, uma vez que produz resultados mais efetivos e duradouros, além de comprovados.

A Powerlogic tem vasta experiência em uso aplicado da Orientação a Objetos, tanto para ambientes Cliente/Servidor quanto para Java EE, através de framework que definem padrões claros para Desenvolvedores e Projetistas.

UML
A linguagem de modelagem adotada por toda a indústria de TI deve ser adotada como mecanismos de formalização do Projetista, mas utilizada de forma ágil e sucinta.

A Powerlogic possui uma Metodologia de Especificação denominada Powerlogic Agilie Unified Process, exemplificada mais à frente, que evita os perigosos caminhos do excesso de especificação que a UML e o UP tendem a produzir (especificação “monumental”), ao mesmo tempo em que mantém a formalização necessária.

Controle de Versões
A Powerlogic utiliza Controle de Versões de Programas Fonte e Executáveis, com conceito de integração contínua, ou seja, da geração diária de uma versão executável integrada do trabalho.

Um sistema de Controle de Versões não somente é essencial para o recebimento, entrega e controle do trabalho em equipe, como também para manter estatísticas sobre o andamento dos trabalhos através dos incrementos diários (“daily builds”).

Documentação Técnica e Qualidade dos Códigos Fontes
A documentação técnica dos projetos não deve se limitar aos modelos UML dos Projetistas, mas se manifestar dentro dos programas na forma de código fonte legível, de alta qualidade.

Práticas OO como encapsulamento de código, confecção de métodos e classes com poucas e bem definidas funções, baixo acoplamento e alta coesão, além, é claro, de comentários bem utilizados, são fatores necessários. Estas são práticas promovidas e garantidas pela Powerlogic através de padrões de suas frameworks e do uso de ferramentas de vistoria automatizada.

Segundo a definição de Kent Beck, considerado um dos melhores desenvolvedores de software da atualidade, um programa será considerado bom se:

  1. Funcionar conforme esperado.
  2. Comunicar bem seu funcionamento.
  3. Não contiver redundâncias.
  4. For a solução mais simples possível para o problema apresentado.

A Powerlogic orienta seus desenvolvedores para observar estes critérios de modo a alcançar um alto padrão de qualidade em seus programas.

E-mails

Geral
plc@powerlogic.com.br
Comercial
comercial@powerlogic.com.br
Recursos Humanos
rh@powerlogic.com.br
Marketing
marketing@powerlogic.com.br
Eventos e treinamentos
eventos@powerlogic.com.br
Powerlogic S.A
Rua: Santa Fé, 100 - 4º andar - Sion, Belo Horizonte, MG
CEP 30.320-130
+55 (31) 2534-5750 - plc@powerlogic.com.br
mpsBr Nível C BNDES

Este portal é inteiramente desenvolvido com o produto eCompany e liberado em tecnologias Open Source Java EE.